|| Condicões não traumaticas || Doença de dupuytren
Condições não traumáticas

Doença de dupuytren

Doença de dupuytren

A doença de Dupuytren é uma condição caracterizada pelo espessamento e encurtamento de um tecido situado logo abaixo da pele da palma da mão, chamado fáscia palmar. Observa-se a formação de nódulos e cordas  nas palmas da mãos e dedos, as quais retraem-se levando a uma progressiva atitude em flexão dos mesmos (contratura de Dupuytren).

A causa da doença é desconhecida, porém sabe-se que é mais frequente em alguns grupos étnicos (indivíduos do norte da Europa e descendentes). É muito mais comum em homens,  e acima de 50 anos. Parece haver uma ligação com a diabete e com o uso do fenobarbital (uma medicação anticonvulsivante). Não há relação com trauma ou atividade profissional.

Sintomas

Observam-se nódulos, pregas e cordas nas palmas das mãos, expandindo-se especialmente para os dedos anular e mínimo. Com a evolução da doença, essas cordas sofrem um processo de retração, levando a uma atitude em flexão dos dedos (incapacidade de realizarem extensão completa). Essa condição, geralmente, não causa dor.

Tratamento

Nos casos em que a contratura do dedo é pequena e não há prejuízo para a função, a conduta é apenas a observação. Nos casos em que o grau de flexão do(s) dedo(s) é mais acentuado, a corda deve ser removida, de modo a se obter a extensão do dedo, podendo ser necessários outros procedimentos de acordo com a gravidade do quadro e as regiões envolvidas.  É importante frisar que a doença, por ter um componente genético, continuará em atividade, e em algum momento, mesmo após a cirurgia, vai recidivar.

 

1